top of page
Rechercher
  • Photo du rédacteurRita

Maio 2023...

Quando o amor vos acenar, sigam-no, ainda que os seus caminhos sejam difíceis e íngremes.

E quando as suas asas vos envolverem, abraçai-o, ainda que a espada escondida no meio da sua penugem vos possa ferir.

E quando ele falar convosco, acreditai nele, ainda que a sua voz possa destroçar os vossos sonhos, tal como o vento do norte devasta um jardim.

(…)

Tudo o que o amor faz por vós serve para conhecerdes os segredos do vosso coração, e para que na posse desse conhecimento vos torneis um fragmento do coração da Vida.

(…)

O amor não dá mais do que a si próprio e não retira nada que não seja a si mesmo.

O amor não possui nem pode ser possuído, pois o amor é suficiente por si só.


Quando amardes, não deveis dizer «Deus está no meu coração», mas antes «Eu estou no Coração de Deus».

E não penseis que podeis dirigir o curso do amor, pois o amor, se vos achar merecedores, dirigirá o vosso curso.


O amor não tem qualquer outro desejo senão o de acontecer.(…)”


Khalil Gibran, in O Profeta



Queridos alunos e amigos ✨, MAIO, é o mês dos muitos, muitos, muitos feriados e, muitos de vós aproveitam esta época para tirar férias e viajar. No entanto, juntos, vamos tentar manter, tanto quanto possível, a regularidade das aulas, no Padma Yoga Shala🌿🌸.

Para já, vamos continuar com o horário matinal de Primavera🌸 para auto-prática a partir das 6h30, de segunda a sexta-feira (as aulas só começam às 8h00). Não se esqueça que às quartas-feiras, como até agora, não haverá aula, apenas auto-prática para os alunos que desejem praticar no Shala🌿🌸. Assim, recomenda-se a chegada o mais tardar até às 8h00, para uma maior probabilidade de encontrar a porta ainda aberta.

 


 

Por favor, assentem nas vossas agendas que, em MAIO :

Na segunda-feira, 01/05, haverá aula de manhã, apesar de ser feriado. É o aniversário do nosso muito querido Carlos 🙏☀️✨ e, como a sua vontade é estar presente para praticar nesse dia, o Shala🌿🌸 estará ABERTO a partir das 6h30 e haverá aula entre as 8h00 e as 10h00.

Para os feriados de segunda-feira, 15/05 e segunda-feira, 29/05, deixarei uma folha na entrada do Shala🌿🌸, para que coloquem o vosso nome, se tiverem a possibilidade e a intenção de vir praticar de manhã, entre as 8h00 e as 10h00. Se houver um número suficiente de interessados, darei aula. Caso contrário, é provável que abra apenas para auto-prática a partir das 6h30. Também é possível que ENCERRE um ou todos estes feriados, se estiverem todos de viagem ou se apenas um ou dois de vós estiver interessado em vir praticar ao Shala🌿🌸… Esta é uma decisão que tomaremos juntos, de acordo com a disponibilidade de cada um e a vossa preferência entre ir praticar ou simplesmente descansar! 😉🧘‍♀️🧘‍♂️😴

Nas manhãs de sexta-feira, 5/05 e de sexta-feira,19/05, teremos prāṇāyāma e yoganidrā OU dhyāna. Prāṇāyāmaentre as 8h30 e as 9h15, yoganidrā OU dhyāna entre as 9h15 e as 10h00.

Como de costume, peço-vos que respeitem os horários anunciados e não entrem ou saiam a meio de uma sessão, para não perturbar o funcionamento da mesma ou interferir com o campo energéticodentro do Shala🌿🌸. Para ambas as sessões, convém trazer roupa quente e confortável e uma manta, para não sentirem frio e poderem desfrutar plenamente do momento de relaxamento.

Todas estas e outras informações poderão ser encontradas aqui, sendo que esta página é actualizada sempre que haja alguma informação importante a transmitir.


 

MUITO IMPORTANTE

Por favor, verifiquem sempre, quando entram ou saem do Shala🌿🌸, que a porta do prédio fica FECHADA. Verifiquem também, por favor, que a porta do primeiro andar, onde deixam os sapatos, não fica trancada depois de entrarem!! Já por três vezes que ela ficou indevidamente trancada, por distracção, manipulação incorrecta ou mau funcionamento da maçaneta (🤔🤷‍♀️🤦‍♀️), e quem chegou depois, ficou impedido de entrar… Peço a vossa colaboração para que, todos juntos, possamos evitar que volte a acontecer! 🙏 💜 !! Muito Grata !! 💜 🙏

 


 

Ao longo dos últimos meses, muito temos falado sobre os kleśa(क्लेश), as causas de aflição ou de sofrimento inerentes à nossa condição humana, que têm origem em avidyā (अविद्या), a ignorância. Ou mais precisamente, a ignorância metafísica de Quem Realmente Somos, da nossa Essência de Sat-chit-ānanda,(सच्चिदानन्द) ou seja, Existência, Consciência e Felicidade ou Beatitude.

Yogasūtra II.5

अनित्याशुचिदुःखानात्मसु नित्यशुचिसुखात्मख्यातिरविद्या॥५॥

anityā-aśuci-duḥkha-anātmasu nitya-śuci-sukha-ātmakhyātir-avidyā ॥5॥

« Avidyā é considerar o efémero como eterno, o impuro como puro, o sofrimento como prazer e o relativo como Absoluto.»


 

Assim, segundo o Yogasūtra, tudo o que sofremos tem a sua fonte nessa incapacidade em relembrar e reconhecer a nossa Verdadeira Natureza Divina, ignorantes (avidyā अविद्या), dominados pelo ego (asmitā अस्मिता), por vezes incapazes de sair da nossa zona de conforto, cheia de apegos (rāga राग) e repulsas (dveṣa द्वेष) em vez de simples preferências e, acima de tudo, prisioneiros dos nossos medos (abhiniveśa अभिनिवेश)…

Todos os seres humanos são descendentes de povos tribais que estavam espiritualmente vivos, intimamente apaixonados pelo mundo natural, filhos da Mãe Terra. Quando éramos povos tribais, sabíamos quem éramos, sabíamos onde estávamos e conhecíamos o nosso objectivo. Esta percepção sagrada da realidade permanece viva e saudável na nossa memória genética. Transportamo-la dentro de nós, normalmente numa caixa poeirenta no sótão da mente, mas está acessível.

John Trudell



 

Também o Sāṃkhyakārikā, o tratado de base da doutrina do Sāṃkhya escrito por Īśvarakṛṣṇa, começa precisamente por nomear esse sofrimento (duḥkha दुःख) inerente à condição humana, referindo que ele tem três causas, que Gauḍapāda descreve no seu comentário a este texto.

Primeiro é descrito o sofrimento que causamos a nós mesmos, que se considera natural e interno (ādhyātmika - आध्यात्मिक) e que pode ser de ordem corporal ou psicológica, emocional, espiritual e inclui todas as doenças (incluindo as que são geradas por uma falta de cuidado e amor próprio relativamente ao nosso veículo físico).

A segunda causa de sofrimento, ādhibhautika (आधिभौतिक) provém dos outros seres, também natural mas agora externa, e inclui tudo o que nos chega através dos outros, desde uma simples picada de melga ou pulga, ao que nos possa eventualmente ser feito por outro ser humano, de propósito para nos magoar, mas também por ignorância ou inadvertência.

A terceira causa de sofrimento, ādhidaivika (आधिदैविक) é considerada não natural ou sobrenatural e também pode ser chamada de super-humana, daivika (दैविक). Dentro desta categoria pode incluir-se tudo o que seja sentido como a “fúria dos deuses” ou seres de outras dimensões, e que poderia manifestar-se através de catástrofes naturais e cataclismos, inundações, tornados, maremotos, sismos, etc…

 

É, aliás, uma das razões, pela qual na grande maioria dos Śāntimantra (शान्तिमन्त्र)ou Mantras da Paz, cantamos no final Oṃśānti, śānti, śānti (शान्ति), Oṃ Paz, Paz, Paz, como já vos disse tantas vezes! Três vezes PAZ, para apaziguar precisamente estas três causas de sofrimento, que infelizmente, muitas vezes se vão sobrepondo em camadas, ao longo da(s) nossa(s) vida(s)…

Sāṃkhyakārikā, I, 1

दुःखत्रयाभिघाताज् जिज्ञासा तदप१घातके हेतौ । दृष्टे सापार्था चेन् नैकान्तात्यन्ततोऽभावात् ॥ १॥

duḥkhatrayābhighātāj jijñāsā tadapa1ghātake hetaudṛṣṭe sāpārthā cen naikāntātyantato'bhāvāt ॥ 1॥

“Da aflição causada pelos três tipos de sofrimento (interno, externo e divino), surge o desejo de conhecer os meios de sua remoção. Se a investigação é inútil por causa da existência de meios perceptíveis bem conhecidos? Respondemos não, porque esses meios não são eficazes nem duradouros.”


 

Tanto o Yoga, como o Sāṃkhya, o Vedanta e tantas outras tradições espirituais que desabrocharam e se desenvolveram nas mais diversas partes do planeta, procuram trazer ferramentas, assim como uma solução prática e, acima de tudo, definitiva, para eliminar o sofrimento humano (e já sabem que eu não gosto de “confundir” religião e espiritualidade, já que a espiritualidade não pode nunca, em momento algum, manifestar-se através de qualquer forma de violência, seja ela física, psicológica, emocional ou espiritual, já que ahiṃsā(अहिंसा ), a não-violência é sempre a condição primeira para uma Verdadeira Conexão a Deus, sem intermediários…). E, como digo tantas vezes (principalmente) aos meus filhos quando reclamam que fulano ou sicrano os tratou mal, os insultou, os rebaixou ou humilhou : pessoas felizes não maltratam as outras.

Quando uma pessoa o faz sofrer, é porque sofre profundamente dentro de si e o seu sofrimento está a transbordar. Ele não precisa de ser castigado, precisa de ajuda. É essa a mensagem que está a enviar.”

Thich Nhat Hanh


E, para ir um pouco mais longe nesta reflexão, seres humanos conscientes do seu próprio sofrimento, seja físico, psicológico, emocional ou espiritual, simplesmente deixam de maltratar qualquer outro ser e mais tarde ou mais cedo, no seguimento dessa tomada de consciência, enraizam-se no Amor e na Compaixão de igual forma por todos os Reinos Orgânicos, pelo Reino Mineral, pelo Reino Vegetal e pelo Reino Animal


 

Afinal, esta é a Regra de Ouro de todas as tradições espirituais, “não fazer aos outros aquilo que não gostaríamos que nos fizessem”, ou exprimindo isto de forma positiva, que não é certo que o Universo reconheça a negação, Agir Conscientemente e de igual forma com todas as formas de Vida Orgânicas(incluindo o planeta que nos acolhe), como gostaríamos que agissem connosco, em todos os momentos, situações e circunstâncias! Aí sim, podemos realmente começar a entrever Quem Somos, sem todos os véus da Ilusão (māyā माया) impostos por todos os condicionamentos desta e de outras vidas, sem filtros, sem medos, sem feridas abertas que, se não formos vigilantes, facilmente nos podem empurrar para a cegueira ou a negação como forma de nos protegermos da dor, do sofrimento… Aí sim, a partir desse ponto, podemos começar a acolher dentro do nosso Coração, o que significa verdadeiramente e de forma multidimensional, a Consciência de Unidade e sentir totalmente ressoar, em cada uma das nossas células, que realmente SOMOS TODOS UM

A totalidade da verdade está presente em cada alma como uma semente e pode ser levada a florescer se a alma se dedicar ao desenvolvimento dessa semente.

Rudolf Steiner


 


Por vezes, damos connosco a pensar como seria a Vida, se simplesmente fossemos capazes de encontrar uma solução para dominar os nossos medos, para nos libertarmos dos nossos apegos e repulsas, para desconstruirmos o nosso ego e arrancar os véus da ilusão, de forma definitiva e permanente

Somos estrelas envoltas em pele.

A luz que procuras sempre esteve dentro de ti.

Rumi

 

É possível que, a partir desse ponto, possamos finalmente realizar que o Yoga não é de todo “apenas” mais uma ginástica ou uma forma oriental de bem estar e que, se plenamente acolhido dentro do nosso Coração, com todos os seus oito membros (aṣṭāṅgayoga - yama, niyama, āsana, prāṇāyāma, pratyāhāra, dhāraṇā, dhyāna e samādhi), não só como “via”, mas também e simultaneamente como “método” e “objectivo”, talvez nos seja finalmente aberta uma “porta de saída”, para o (pouco ou muito!) que nos apoquenta…

Yogasūtra II.16

हेयं दुःखमनागतम्॥१६॥

heyaṁ duḥkham-anāgatam ॥16॥

«O sofrimento que ainda não ocorreu deve ser evitado.»

E, por vezes, também ao ver tudo isto descrito desta forma que muitos considerarão nua e crua, ao ver tamanha quantidade de sensações físicas, psicológicas, emocionais, espirituais associadas à dor ou ao sofrimento que finalmente nos autorizamos a identificar, reconhecer, acolher sem julgamentos, podemos sentir-nos assoberbados e perguntarmo-nos se estamos à altura de tamanho empreendimento, se é realmente o que desejamos, se valerá a pena o esforço e se veremos (todos ou alguns…) resultados nesta vida?

A verdade é que todos temos de começar por algum lado e, como normalmente as árvores não dão frutos antes de dar flor (há excepções, há sempre excepções… 😉😂), a maioria de nós vai precisamente começar a caminhar por este caminho, precisamente através deste tipo de questionamento! Até porque a resposta só pode ser encontrada dentro de nós, já sabem que a Verdade vem sempre de dentro para fora

Pensa por ti, ou outros pensarão por ti, sem pensar em ti. Henry David Thoreau



 

A mim, ajudou-me bastante no início, mas mesmo ainda hoje e de cada vez que me deparo com algo extremamente difícil, algo que me parece de tal maneira enorme, de tal maneira acima das minhas forças, pois isso ainda continua a acontecer na minha vida (mesmo se com menor frequência e em episódios de menor duração), relembrar-me quotidianamente dos ensinamentos de Sri Tirumalai Krishnamacharya, quando dizia que “o Yoga é a arte de transformar o impossível em possível e, depois, transformar o possível em fácil”! Sem esquecer que só a torna todo este processo de (des)aprendizagem possível…

e Confiança no Yoga, enquanto via, método e objectivo final, a objectivo da Libertação (mokṣa मोक्ष). Fé e Confiança em mim mesma e na minha vontade pessoal inabalável para me colocar a cada instante ao Serviço do Dharma (धर्म), da Vontade Divina, de Deus dentro do meu Coração, plenamente, conscientemente e sem intermediários, para poder finalmente escutar a Sabedoria do Universo

As estrelas falaram outrora ao homem. É o destino do mundo que elas estejam agora em silêncio, mas no seu silêncio cresce e amadurece o que o homem fala às estrelas.

Rudolf Steiner


 

É por isso que considero que não vale a pena “escondermo-nos”face aos desafios da Vida, nem tão pouco tentar compartimentaro Yoga, de forma a acolher e praticar apenas os membros que nos são agradáveis, fáceis ou confortáveis… Aquilo que estamos destinados a viver, para finalmente podermos ver tudo o que precisamos ver, sobre nós mesmos, sobre os outros, sobre tudo o que nos rodeia e mesmo sobre o Universo inteiro, para podermos acolher a Verdade, dentro do Tempo Divino, seremos levados a vivê-lo, seja voluntários ou contrariados! Neste ponto da nossa existência, já todos tivemos a possibilidade de realizar por experiência própria, que tudo é bem mais difícil quando criamos resistências Cada vez mais, considero que Īśvarapraṇidhāna é um dos Niyamaa ser praticado com tanta dedicação (ou mais ainda…) como o āsana(आसन)! A devoção a Deus ou à Fonte Criadora, como lhe preferirem chamar, assim como a aceitação plena e equânime dos frutos das nossas acções, sejam eles quais forem, desde que as nossas acções tenham sido conscientemente consagradas a Deus… Quando tudo parece muito, muito, muito difícil, quase impossível por momentos, a relembra-nos que o Universonunca conspira contra nós, e que em nós há e haverá sempre algo muito mais forte do que poderíamos imaginar, algo que nos permitirá continuar a avançar, passo a passo e, sobretudo na direção certa, até que estejamos completamente livres de todo o sofrimento, reconhecendo-nos como Seres Divinos, Soberanos, Livres e Ilimitados

Eu sei que Deus não me dará nada que eu não consiga aguentar.

Só desejava que Ele não confiasse tanto em mim.

Madre Teresa



 

Yogasūtra I.2

योगश्चित्तवृत्तिनिरोधः॥२॥

yogaś cittavṛttinirodhaḥ ॥2॥

« O Yoga é a paragem dos movimentos da consciência [da agitação existencial]. »

Se o Yoga enquanto “objectivo” representa a Libertação da Consciência (mokṣa मोक्ष) e do sofrimento associado ao ciclo de reencarnação e transmigração das almas, o Yoga enquanto “técnica”, permite-nos alcançar a cessação das flutuações da nossa mente, das nossas actividades mentais, dos vṛtti (वृत्ति), que são de cinco espécies e podem ser ou não produtoras de sofrimento. Para podermos continuar a avançar neste caminho espiritual, vamos aos poucos aprendendo a identificar e reconhecer a forma como se manifestam em nós estas actividades mentais e aprendendo a dominá-las, em vez de nos deixarmos controlar por elas, a utilizá-las como ferramenta, enquanto necessário para continuar a avançar e, depois, libertarmo-nos definitivamente delas, para podermos então “ouvir” claramente e sem interferências o nosso Eu Superior… A partir de um certo ponto na nossa prática espiritual, no nosso sādhana (साधन), torna-se indispensável compreender e reconhecer se o nosso mental nos ajuda a aproximarmo-nos do estado de Yoga ou se, pelo contrário, nos afasta desse estado de União (yogaयोग)…

Yogasūtra I.5

वृत्तयः पञ्चतय्यः क्लिष्टाक्लिष्टाः॥५॥

vṛttayaḥ pañcatayyaḥ kliṣṭākliṣṭāḥ 5

« Produtoras de sofrimento ou não, as actividades mentais são de cinco espécies. »

Yogasūtra I.6

प्रमाणविपर्ययविकल्पनिद्रास्मृतयः॥६॥

pramāṇaviparyayavikalpanidrāsmṛtayaḥ 6

« São: o raciocínio justo, o raciocínio errado, a imaginação, o sono [sem sonhos], a memória. »


 


 

É fácil alcançar este nível de consciência e, acima de tudo, mantê-lo constante independentemente das condições externas? Manter a Paz no meio do caos?

Eu diria que não, não é…

É igual para todos nós a forma como avançamos neste caminho? Também não me parece, pois todos somos únicos e avançamos aos nosso próprio ritmo, segundo a nossa própria disponibilidade, as nossas prioridades, as diferentes fases da nossa vida, a nossa dedicação…

Existem obstáculos? Sem dúvida e também eles estão descritos no Yogasūtra. Mesmo se nem todos predominam em cada um de nós, em todas as situações, em todos os momentos ou fases da nossa prática, da nossa vida… Identificar quais destes obstáculos ligados à nossa personalidade predominam em nós, e compreender o papel desta tomada de consciência para a progressão na via do Yoga, faz parte do caminho…

Yogasūtra I.30

व्याधिस्त्यानसंशयप्रमादालस्याविरतिभ्रान्तिदर्शनालब्धभूमिकत्वानवस्थितत्वानि चित्तविक्षेपास्तेऽन्तरायाः॥३०॥

vyādhistyānasaṃśayapramādālasyāviratibhrāntidarśanālabdha-bhūmikatvānavasthitatvāni cittavikṣepās te ‘ntarāyāḥ ॥30॥

« A doença, a inércia mental, a dúvida, a precipitação, a preguiça, a intemperança, o erro de julgamento sobre si mesmo, a falta de progresso, a regressão são os obstáculos, causas de dispersão psíquica.»

E uma vez ultrapassados, eles podem voltar?

Pois… A vigilância terá de ser constante na realidade, pois cada um deles vai certamente manifestar-se inúmeras vezes, ao longo do percurso… Mas é mesmo assim, creio. Afinal, cada um de nós faz o melhor que pode, com as ferramentas que tem disponíveis em cada momento da sua vida… E essa caixa de ferramentas vai evoluindo à medida que vamos avançando, aprendendo, descobrindo novas ferramentas e largando outras que se vão tornando obsoletas. Por vezes, quando os desafios e adversidades se apresentam, podemos tropeçar ligeiramente e rapidamente recuperar o nosso ritmo de marcha. Outras vezes tropeçamos mais a sério e caímos de joelhos… Outras vezes, chegamos mesmo a perder o nosso caminho e deixamo-nos desviar durante períodos de tempo mais ou menos longos… Mas enquanto mantivermos a nossa , a nossa Energia, a nossa Memória, a nossa Concentração e a Alta Inteligência que nos permite continuar a realizar certas tomadas de consciência, dentro do Tempo Divino, então o nosso desejo de LIBERDADE acabará sempre por ser o nosso Guia e Farol, para voltar a recuperar o nosso Verdadeiro Caminho Orgânico, através do qual nos libertaremos de tudo o que não somos, para podermos SIMPLESMENTE SER

A época do fracasso é o melhor momento para semear

as sementes do sucesso.

Paramahansa Yogananda


 


Por vezes, parece que ficamos prisioneiros de uma imagem daquilo que seria o nosso mundo ideal, das circunstâncias ideais, do momento ideal para trabalhar sobre nós mesmos, para nos dedicarmos ao auto-conhecimento, ao cuidado pessoal, ao Amor-próprio… “Se” ou “Quando” eu tiver estas ou aquelas condições, se ou quando eu estiver nesta ou naquela fase da vida, se ou quando todas as condições estiverem reunidas… E assim vamos ficando, parados, imóveis, à espera, estagnados

Num mundo ideal, sem dificuldades, sem adversidades, sem interferências, sem sofrimento (duḥkha दुःख), é certo que teríamos já todas as ferramentas necessárias e tudo seria muito mais fácil! Mas pergunto-me e pergunto-vos também… Será que num “mundo ideal”, ainda precisaríamos de Yoga, ou simplesmente todos seríamos capazes de reconhecer e realizar, intuitivamente e inequivocamente, dentro do nosso Coração, em cada uma das nossas células, que JÁ SOMOS o que procuramos no exterior?…

 

Assim, enquanto vivermos num mundo de dualidade, enquanto cada dia formos confrontados às nossas dores e sofrimento, aquele que provocamos a nós mesmos, aquele que nos é provocado pelo outros e também aquele que vem de fontes nem sempre visíveis aos nossos olhos e que se manifesta também através da Natureza, talvez o melhor seja mesmo reconhecer que nem tudo é branco OU preto e que através da nossa capacidade para escutar a voz do Coração, a nossa Voz Interior, a nossa Intuição e o chamamento da nossa Alma. Isto só é possível se aprendermos a acalmar cada um dos vṛtti(वृत्ति) que ainda atravessam o nosso mental, a cada instante do nosso dia! É importante aprender a tratá-los como a ferramenta que realmente são, preferindo sempre obviamente o raciocínio justo, mas sem nos flagelarmos, rebaixarmos ou entrarmos em negação, quando reconhecemos que fomos enganados ou levados pelo raciocínio errado, já que ninguém é perfeito e apenas dessa forma podemos autorizarmo-nos a PERDOAR com AMOR e COMPAIXÃO (os outros, mas principalmente a nós mesmos), a acolher e transmutar aquilo que nos magoa, a iniciar a nossa “reabilitação” e regressar assim, novamente, sempre sem desistir, as vezes que sejam necessárias, ao nosso Verdadeiro Caminho Orgânico de Evolução Espiritual

 

Parece-me igualmente importante que nos autorizemos a utilizar a também a nossa imaginação e a ser criativos quando somos confrontados aos diferentes obstáculos, para encontrar soluções em vez de problemas, para finalmente desabrochar e florescer em todas as áreas e domínios do nosso Ser e da nossa Vida que permitem a Expansão do nosso Coração, pois só com um Coração Aberto, Confiante, sem medo de ser magoado, poderemos verdadeiramente ser Felizes e acolher tudo, tudo, tudo o que dói, em nós ou nos outros, com Neutralidade e simplesmente enquanto Testemunha Compassiva


 

Não posso senão desejar-vos que o vosso sono possa ser tão repousante, cuidado e precioso como deveria, sem preocupações, sem interferências, sem distracções ou outras prioridades… Para que cada dia possam recuperar toda a vossa Energia ou, pelo menos, energia suficiente para fazer algo que vos faz Feliz, que vos traz Paz, que vos enche a Alma


 

E, acima de tudo, que as nossas memórias nunca nos falhem, nunca sejam apagadas, relegadas para um segundo ou terceiro plano, escondidas e esmagadas por debaixo de todas as outras coisas que nos parecem tão mais importantes, prioritárias ou mesmo confortáveis, simplesmente por, a curto ou médio prazo, não nos causarem tanto sofrimento… É verdadeiramente graças à memória que, se formos suficiente Humildes e Corajosos para voltar o nosso olhar para dentro e colocar em questão tudo o que pensamos que sabemos sobre nós mesmos, sobre os outros e sobre o mundo que nos rodeia, para nos autorizarmos a ver aquilo que É, mesmo que não corresponda àquilo que “gostaríamos que fosse”, então aí sim, poderemos continuar a aprender e a avançar no nosso Caminho Espiritual, mas através da Sabedoria Interior acumulada pelas nossas experiênciaspessoais passadas, em vez de repetir continuamente e infinitamente os mesmos erros que já tanto nos fizeram sofrer e que, inevitavelmente, continuarão a conduzir-nos ao sofrimento…

Quando compreender que cada opinião é uma visão carregada de história pessoal,

começará a compreender que todo o julgamento é uma confissão.

Nikola Tesla



 

Para mim, não há nada que me deixe mais feliz que estar ao Serviço do Yoga, do Dharma, do Bem Comum e deste maravilhoso Plano Divino de Libertação da Consciência para TODOS… Fico feliz ao observar-vos e acompanhar-vos, cada dia, à medida que se libertam progressivamente dos vossos medos, que transformam os vossos apegos e repulsas em preferências, que desconstroem o vosso ego ao vosso ritmo e com muito Amor, Carinho e Respeito, pelo Ser Pleno e Consciente que realmente SÃO, mesmo que, em alguns dias mais difíceis, nem sempre o consigam reconhecer (não é diferente para mim, já sabem que também tenho os meus dias ruins!)! Fico feliz por ver-vos ousar abrir a porta do Shala🌿🌸 e, ao mesmo tempo, a porta do vosso Coração, feliz por chegar por vezes a uma sala já cheia de pessoas dedicadas a esta prática do meu Coração, uma sala cheia de energia e calor humano, onde de forma livre e autónoma, cada um de vós ousa finalmente manifestar a Expressão mais Elevada da sua Alma, praticando, cuidando de Si, cuidando também de um espaço que sentem como vosso, uma segunda casa, um porto seguro… Por vocês, não sei… Não posso falar senão a partir da minha própria experiência pessoal, que é diferente da de todos os outros, mesmo que estejamos a avançar pelo mesmo caminho, pois todos temos “ferramentas” diferentes e, por essa razão, o meu ponto de vista não pode, não deve e nunca será imposto, de forma a não interferir com o vosso Livre-Arbítrio… É por essa razão que vos peço, de todas as vezes, que acolham apenas aquilo que ressoa convosco e deixem de parte tudo o resto… Mas por mim, valeu verdadeiramente a pena manter a , a Energia, a Memória, a Concentração e a Alta Inteligência face a todos os obstáculos desta vida e principalmente dos últimos anos, por muito difíceis ou dolorosos que tenham sido!! Para poder agora ver, finalmente, esta maravilhosa Consciência de Unidade manifestada, esta linda Família de Amor, que fomos construindo ao longo dos anos… Por tudo isto e muito, muito mais (porque não, nem sempre tenho palavras para tudo…), a minha mais Profunda e Eterna GRATIDÃO, a todos e cada um de VÓS/NÓS!

🙏💜✨☀️✨💜🙏

Não importa quão isolado esteja e quão solitário se sinta, se fizer o seu trabalho de forma verdadeira e consciente, amigos desconhecidos virão à sua procura.

Carl Jung


"Within" by Akiane Kramarik

 

ॐ भूर्भुवः स्वः । तत्सवितुर्वरेण्यं ।

भर्गो देवस्य धीमहि धियो यो नः प्रचोदयात् ॥


Oṁ bhūr bhuva svāḥ || tat savitur vareṇyam |

bhargo devasya dhīmahi | dhiyo yo naḥ pracodayāt ||


Oṁ. Contemplemos o esplendor do divino Sol vivificante,[invariavelmente] presente na terra, na atmosfera e no céu.

Que ele ilumine a nossa visão.”


Continua aqui o Gāyatrī Mantra! Vão praticando, porque pelo Solstício de Verão ☀️, ou talvez pelo aniversário do Padma Yoga Shala🌿🌸, vamos tentar recitá-lo juntos,

108 vezes!!

✨🙏💜

 

Como sempre, deixo-vos a minha mais profunda e sincera GRATIDÃO pela vossa leitura e atenção e peço-vos que, como de costume, acolham apenas o que ressoa convosco e coloquem de parte tudo o resto!! Com todo o meu AMOR e REVERÊNCIA, desejo-vos coragem, bons questionamentos e boas práticas… Dentro e fora do tapete! Para que um dia, possamos ver no mundo, a mudança que ocorre em nós através do Yoga!

Namaste 🙏💜✨ Rita


 

ॐ लोकाः समस्ताः सुखिनो भवन्तु

ॐ शान्तिः शान्तिः शान्तिः॥

Oṁ lokā samastā sukhino bhavantu

Oṁ śāntiḥ śāntiḥ śāntiḥ

Oṁ

Que todos os seres, em todos os lugares, sejam felizes.

Que haja Paz, Paz, Paz.



Comments

Couldn’t Load Comments
It looks like there was a technical problem. Try reconnecting or refreshing the page.
bottom of page